Aqui tem mais!

sábado, 24 de dezembro de 2011

Desejos de natal

Neste natal desejo para todos nós:

Que os valores sejam invendáveis.

Que a felicidade seja cada dia mais encontrada na simplicidade.

Que a paciencia se torne um exercicio diário.

Que o ressentimento seja vencido pelo perdão.

Que sejamos semeadores do bem. E que nossas colheitas sejam de felicidade e sabedoria!

Um feliz natal a todos!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Observações míopes na balada

Sabe aqueles dias que você não está afim de sair de casa, mas mesmo assim sai e não consegue entrar no clima?
Então, recentemente fui para um pub, contra minha vontade e ocupei meu tempo no local para observar. Sentei no balcão. Pedi minha caipirinha sem alcool, também conhecida como água sem gás com limão e gelo. Do outro lado avistei um homem de aproximadamente 30 anos, moreno, pele bronzeada e barba em atraso. Um charme. Olhei para ele. Ele olhou para mim. Pouco tempo depois ele levantou para ir para a pista, e eu fiquei com olhos na altura que gostaria de vê-lo. Fiquei esperando, e... Cadê o homem? Acho que ele batia um pouco acima do meu ombro.
Gente devia ser proibido homem abatumado. Devia existir algum tipo de regra ABNT para altura masculina. Homens são obrigados a ter no minimo 1,75cm. Existe regra ABNT para um tanto de coisas descessárias. Devia ter para isso também.
Ok, passou! Pedi uma porção de fritas com molhos especiais.

Seguia eu estacionada no balcão, cumprindo aquele ritual de passar a batatinha no molho, morder, mastigar, engulir e assim por diante, quando passei a observar um casal. Quer dizer, um homem e uma mulher que estavam juntos. Ela já devia ter uns trinta e poucos anos, não era muito bem provida de beleza fisica. Ele devia ter mais ou menos a mesma idade dela e estava longe de ser um Brad Pitt. Estavam ali, naquele clima de encontro, meio sem assunto. Ele bebia um chopp atrás do outro, enquanto ela fazia charminho com o canudo do drink. E haja chopp e haja drink. Eu já estava sentada observando-os a alguns minutos e nada de pegar na mão, cafungada no cangote e beijo de cinema, menos ainda. Conclui que quem sai com gente feia, só toma uma atitude na hora de ir embora. Vamos? Pra minha ou para a sua?

O terceiro alvo da noite era um gringo de mais ou menos cinquenta anos, pra lá de animado. Estava no meio da rodinha tomando conta do assunto com os amigos. Pedia caipirinhas, cantava e dançava ao som do bom conjunto de rock que animava a noite. (ps: destesto rock). Até que, o animado senhor encontrou uma senhora, da mesma faixa etária. Que também cantava e dançava animada, com uma taça de espumante na mão, constantemente abastecida. Ele olhou para ela. Mas ela não olhou para ele. Ele se aproximou e ela fez que não viu. Ele puxou ela pela cintura no melhor estilo "vem cá minha nega" e foi dançar. Sim, rock. Sim, no pub. Ele começou de cochichos no ouvido dela. Ela fez carinha de quem estava gostando de mais. E assim deu-se inicio a paquerinha da meia idade. Sei lá o que ele dizia, mas ela super se fazia de difícil. Super também foi a minha vontade de dizer: "ô tiiiia, deixa de fazer charminho que tu já passou da idade"!
O gringo tinha uma barriguinha saliente, o que deixava sua eleita um pouco distante, mesmo com ele abraçadinho nela. Aliás barriga é o tipo de coisa que tem que ser no diminutivo. Caso contrário só fica bem em gestante. Tão insistente ele foi, que ela caiu na conversa dele.
Missão cumprida!

Saldo da noite: uma caipirinha sem alcool (conforme descrito acima), uma porção generosa de batatinhas com molhos deliciosos e novas versões daquelas velhas histórias que a gente sempre vê na noite.


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Eu posso te sentir




Você pode não estar ao alcance dos meus olhos,
mas mesmo assim,
eu posso te sentir!

Nicole Nazer



sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

E se...


"Nosso desejo de viver o imediato as vezes nos boicota. A ansiedade faz com que tomemos decisões sem estarmos seguros. A pressa faz com que coloquemos o final antes do inicio. O medo nos paralisa."


Este é um trechinho do texto E SE, que pode ser conferido na minha coluna no site O Maluquinho.



Confiram aqui:

http://www.omaluquinho.com.br/omaluquinho/index.php?option=com_lyftenbloggie&view=entry&category=destaques&id=394:e-se-#comment

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Títulos CRIATIVOS para álbum de fotos

Gente,

Eu adoro fotografia. Apesar de priorizar textos aqui no blog, a fotografia também é uma de minhas paixões.
Pensando nisso estou fazendo este post, com nomes criativos para seus álbuns nas redes sociais e
onde mais vocês quiserem!
Romances e casamentos
Dopaminados
Borboletinhas na barriga
Ente suspiros e sorrisos
Celebração ao amor
Comprometida
Amor.jpg
Até que enfim
Eterno enquanto dure
Amor no plural
Santo Antônio ouviu minhas preces

Gestação
No ventre
Ele(a) vem chegando
Seremos três
Lá vem o nosso anjo
Entre fraldas e delicias
Cheirinho de bebê
Depois dos nove meses
Inicio da vida
Se não tê-los, como sabe-los?


Viagens
Sem gps
Mundo à dentro
Voando as tranças
Cadê o GPS?
Me encontrei quando me perdi
Do outro lado do oceano
Céu, sol e zas
Bagagem da vida
Arrastando a mala
Pelo caminho
Eu fui
Eu não sei falar inglês


Amigos
Área VIP
Essenciais
Assim sou mais feliz
De fé
Colorem a minha vida
Aperto, cheiro e os chamo de mon biju
O recheio do lado esquerdo do meu peito
A arte de celebrar
Multiplicando a felicidade

Diversos

Felicidade rima com simplicidade*
Só sorrisos
.jpg
Rastros de felicidade
Amostra Grátis
Vestigios
Em off line
Carinhos e focinhos
Sob meu olhar
Inspirada e observadora
Olhar com poesia

*Frase título de um texto

Gostaram?
Sugeriro este texto que tem dicas bacanas, sinceras e humoradas para um álbum criativo:
http://longedoobvio.blogspot.com/2009/02/3-dicas-para-um-album-criativo-no-orkut.html

Se quiserem mais idéias de nomes, sugiro que leiam os textos que, entre frases sérias e bem humoradas muita coisa super vai se encaixar ao título de algum álbum de fotos!

Dezembro



E olha só quem voltou!
O mês das reflexões, das confraternizações, das cerimônias religiosas, de pôr o pé na estrada. O mês de voltar para casa, de estar com a familia e matar a saudade dos amigos. Mês de aumentar as vendas no comércio, de abrir e carregar pacotes. Mês em que se potencializam as doações, o altruismo e a solidariedade. Mês de olhar para trás e fazer um balanço do ano que chega ao fim, de deixar os ressentimentos para trás e levar para o novo ano só o que de fato vale a pena.
Bem vindo dezembro, estávamos todos a te esperar!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Cala-te




Quem fala de todo mundo, um dia vai falar de mim também.

E quando esse dia chegar, uma pia cheia de louça eu posso ofertar.

Quem naão tem o que fazer é bom tratar de achar.


Pois da minha vida eu ja me ocupo em cuidar!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Parece que foi ontem

Eis que através de uma rede social duas pessoas entre tantas outras se descobrem. Se comunicam. Se encontram. Desses repentinos encontros, nasce de uma das partes algo chamado paixão. Sentimento obsessivo, que invade, tira da vida comum e acaba, deixando um vazio. Ambos se afastaram. O tempo passou e o sentimento cessou. Cessou? 4 anos para maturar! Alguém anuncia sua festa de despedida, embarca em 10 dias. Precisamos nos ver, sim. Amanhã ou depois? Amanhã e depois! Reencontro. Festa de carnaval. Disfarces no rosto. Vamos sair daqui? Nós merecemos! Almas em festa! O despertar de reações adversas. Química, física e português. Entendimento com e sem diálogo. Felizes descobertas. Tem cheiro de mulher em mim. Por mim manteria dia após dia. Pequenas doses de dopamina para alimentar o dia. Outro encontro, e outro e outro. Diálogos. Diálogos e diálogos. Confissões. Calor. Suor. Tremor. Entrega. Recíproca. Carinho. Desejo. Almoço com tempero de shoyo. Com sorrisos espontâneos. Fotos. Registros. Admiração. Respeito. Os dias vão passando. E quem se importa em se despedir. A alegria trazida é maior que a despedida. Não há dor. Somente há aceitação. Nem tudo precisa ser compreendido e sim aceito. Nós aceitamos. Vícios e filosofias respeitados. Eis o dia da festa. Não sei se será possível estar presente. Tudo ocorre bem. Eu vou! Sim estou indo ao teu encontro. E do outro lado da linha aquela voz coberta de felicidade, confessa: A horas espero essa ligação. Já era para estar aqui! Uma imersão no espaço e nos amigos do outro. A recepção é feita através de um olhar. Olhos cobertos de satisfação. Olhares curiosos a volta. Que bom te ter por perto. Lua cheia. Noite quente. Alvorada voraz. Os dias vão se passando, cada segundo junto se torna um incalculável número de tempo. Calor. Suor. Mais lençóis. Vou trabalhar amanhã! Nãoooo, amanhã não. Tenho um programa para nós. Reserva ecológica, trilha, natureza, água... oba uma cachoeira. Eu vou pular. Vem, pula também! Ela para na beira. Medo e desejo. Onde está a coragem? Ele retorna e encoraja. Faz a frente. Te espero lá embaixo! Sim, eu vou palavra de mulher. Fui! Deliciosa sensação de estar voando. Obrigada pelo incentivo. Opa, acho que estamos perdidos. Cuidado aqui escorrega! Sabe nadar?! Te segura na corda. Vamos caminhar só mais um pouquinho. Isso é segurança, para que não haja medo. É o compartilhar de um novo desafio. Fome! Vamos jantar. Fartura. Estamos exaustos. Hora de dar tchau. De verdade. O embarque é em poucas horas. Leva este envelope, abra no avião. Fica com o meu carinho e com a certeza de que cada instante destes últimos dias estão eternizados. O choro de plena felicidade. O abraço. Vou embora detesto despedidas! Até breve! As lembranças e os pensamentos se tornam constantes. Mensagens! E-mails! Primeiro reencontro on line! Sem hora marcada. A melhor surpresa do dia. Mais confissões. La vie em rose toca ao fundo. Alguém confessa ter se sentido amado. Mesmo sem o outro nunca ter usado algum clichê para isso. Simplesmente por saber que durante muito tempo foi esperado e desejado. O amor não está nas declarações feitas da boca pra fora. Está nos gestos. Na compreensão. No respeito. Na aceitação. No diálogo. As siriguelas já estão dando frutos. A qualquer momento estaremos juntos, mais uma vez! Já estamos falando de amor, parece que foi ontem...

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Desabafo de uma criança feia





Em meio a tantas caixas, minha mãe encontrou um envelope com pérolas de muito tempo atrás. Entre elas uma foto minha tirada na escola. Sabe aquelas fotos cafonas que a gente tira com a mão no livro, em frente a um fundo de tecido colorido com o sorriso mais amarelo do mundo? Então!
Dei boas risadas com a foto e tive a brilhante idéia de postá-la em uma rede social, para deleite e gargalhadas de meus amigos. Parecia inacreditável que aquela mulher de longos cabelos cacheados já havia sido aquele patinho feio de cabelos curtos em outra época. Eu posso dizer que era uma criança com cara de artista de cinema: Harry Poter!
Passei o dia rindo com os comentários e as reações causadas por aquele bendito retrato, até que, em um estalo me veio a resposta para uma antiga questão da minha infância. Eu nunca havia sido aia de nenhum casamento. Ninguém jamais me convidou para ser aia. Mas é obvio que não. Finalmente pude compreender o por que disso nunca ter ocorrido. Afinal, como alguém pode convidar para ser aia uma criança com cara de pajem?
Quando se fala em aia se pensa em uma menininha de carinha angelical, cabelos cacheados e coisas no gênero. E não em uma criança de cabelinho cogumelo, óculos e pernas finas.
Minha prima preocupada perguntou: “Mas porque tu era assim?”
E eu sei lá porque! Vai ver que a barriga da minha mãe era cenográfica e eu sai de uma goiaba. Ou então deos me desenhou para ser uma criança exótica.
Se isso é pergunta que se faça? Alguém pergunta para uma criança bonita por que ela é assim? Não! As pessoas simplesmente olham para ela e dizem: “Que menina linda!”
Eu ao invés disso ouvia dos amigos dos meus pais: “Ah esse é o teu filho?”
Minha mãe simpática dizia: “Não, essa é a Nicole!”
E o individuo vendo meu constrangimento tentava consertar dizendo: “Ah mas hoje em dia está tudo trocado, os meninos tem cabelos compridos e também usam brinco” He He He
Isso me deixava com um ódio juvenil saindo pelas narinas. Já não basta eu ter cabelo curto, ser míope, ter as pernas finas, não ter nenhum vestígio de seio a pessoa ainda tem que perguntar aos meus pais se eu sou o filhO deles? Só faltavam me dizer: “E ai garotão, és gremista ou colorado?”
E o melhor de tudo, apesar de todos os desafios de ser uma criança digamos assim, desprovida de beleza óbvia, eu não sofria de baixa auto estima. Lembro que mais ou menos nesta época havia na escola um menino que era apaixonado por mim. Eu fugia dele mais do que o Cascão foge do banho. Ele me fez várias gentilezas. Uma delas foi contar a mãe dele que gostava de mim. E a mãe dele tão gentil contou a minha mãe que ele era apaixonado por mim. E a minha mãe por sua vez veio me contar que eu tinha um admirador na escola (como se eu já não soubesse). Gente, em mil novecentos e noventa e cinco as mães não sabiam que a gente tinha paixões e pretendentes na escola. Dá para imaginar o tamanho da minha vergonha? Além de não gostar do dito cujo ele ainda havia feito chegar até a minha mãe a excelente noticia de que ele tinha intenções românticas infantis comigo, seja lá o que isso signifique!
Aaaaaaaah! E para encerrar o ano com chave de ouro ele publicou no livro de redações da quarta série, para toda a escola, uma redação com o titulo: Nicole e Ari. Que contava o namoro onírico que tivemos.
Aos nove anos eu tinha cara de menino, já era míope, tinha um sorriso cretino, as pernas mais finas do mundo, um pretendente fofoqueiro com nome de avô e sobrevivi e evolui!
Uma coisa nisso tudo é certa: se a beleza é duvidosa, o bom humor mais do que nunca é garantido!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Carta a celulite

Prezada inquilina,

Já faz alguns anos que convivemos de perto e eu sempre fui muito franca. Apesar de não ter nenhuma admiração por ti não me importava em ceder o espaço que desejavas.
Foste chegando, tomando conta e quando vi já estavas instalada em minha propriedade. O terreno é grande e não tinha nenhum tipo de produtividade, mas convenhamos que ele proporcionava uma vista agradável.
Porém tua presença comprometeu minha paisagem e de uns tempos para cá tens te tornado ainda mais espaçosa. Estás avançando no terreno e trazendo companhias indesejáveis.
Portanto, venho por meio desta propor um acordo:
Eu oficializo como teu o espaço que já fizeste uso capião e tu não sai de lá, nem um milímetro a mais. Tu recolhes todos os vestígios que deixaste espalhado pelo local e não traz mais nenhum parente, amigo ou conhecido. O que achas?
É pegar ou largar. Se ficares, o espaço será oficialmente teu. Caso contrário buscarei todos os recursos para te tirar daqui e te mandar de volta ao lugar de onde vieste.

Combinado dona celulite? É só nos glúteos ou não é nada!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Mais do que moda: bom senso!

Meninas,
Confesso que entendo muito mais de bom senso do que de moda. Por isso quero compartilhar com vocês algumas coisas que considero itens básicos para uma mulher elegante:

1 Vista o que você gosta e não o que suas amigas usam. Não há como se destacar se vestindo igual a todo mundo. Ter personalidade na hora de se vestir é fundamental.

2 Respeite o seu corpo. Se o seu manequim é 42, por favor não tente entrar em uma roupa tamanho 40 que vai deixar você com cara de que foi “embalada” a vácuo!

3 Não priorize peças de marca. Lembre-se que grife não é sinônimo de bom gosto! Garimpe em brechós. É possível descolar peças clássicas, com excelentes preços e o melhor: exclusivas

4 Misture peças clássicas e acessórios marcantes. Regata branca e um belo colar ou o pretinho básico com acessórios nada básicos, por exemplo. Blazers com vestidos e short jeans, também são excelentes combinações.

5 Mini comprimentos e mega salto alto. Essa é a combinação perfeita para quem quer levar um rótulo de “piriguete” e coisas do gênero! Se a saia ou o vestido forem curtíssimos prefira sapatos sem salto. Um mini vestido de babados com sapatilha ou sandália rasteira fica lindo sem ser vulgar.

6 Se o vestido for rosa, nada de sapato, bolsa, acessórios e maquiagem da mesma cor! Excesso de combinação é ca-fo-na! Ouse e misture as cores. Se está em dúvida use uma cor neutra com uma colorida. Adoro cinza com rosa. Bege com azul. Marrom com verde.

7 Sair de casa toda montada com cara de quem ficou horas se arrumando não está com nada. Naturalidade é sinônimo de elegância. Saia bem vestida com um ar despretensioso. Para isso equilibre a produção. Super roupa, com super acessórios, cabelos montados e um mega make, só se você for a Barbie! Ok?!

8 Maquiagem é para valorizar e não mascarar! Para o dia dia quanto mais discreta for, melhor. Cuidado com as sombras coloridas, cintilantes e excesso de asa de borboleta e coisas do gênero. Se o olho estiver bem marcado use uma cor mais discreta na boca. Se o batom for vermelho manere na sombra.

9 Cabelo: respeite os cachos. Coisa feia cabelo com cara de “alisado”. Ao invés de castigar os fios com a bendita chapinha use o cabelo natural. Se ele tiver volume, ok. Respeite-o! A Tais Araújo, Maria Fernanda Candido, Elba Ramalho e a diva Shakira, tem cabelos cacheados e volumosos também! Ah e não adianta emplastar o cabelo de creme modelador de cachos para sair de casa! Quem tiver cabelo liso pode ousar mais nos cortes. Ou experimentar penteados, tranças e simplesmente usar um mousse para amassar e modelar!

10 Equilibre os acessórios! Se o brinco for grande, evite, colares, pulseiras e anéis que “briguem” com o brinco. Em festas lembre-se que os conjuntinhos de brincos e colar de strass já estão ultrapassados. Prefira pedras coloridas e equilibre o tamanho. Se você usa óculos e/ou aparelho, lembre-se que no rosto já há outros itens chamando atenção. Óculos de armação marcante, com brinco chamativo não é legal. Neste caso carregue para baixo nos colares, pulseiras, anéis, lenços...
(eu uso óculos e particularmente uso sempre brincos dourados, pequenos com uma pedra ou de pérolas e capricho nos colares.)

11 Camisas. Lindas, práticas e clássicas. Estão mais em alta do que nunca e vão bem com tudo! Escolha os modelos, as estampas que mais tem a ver com o seu estilo e use. Só cuide o comprimento, camisa tem que ser no mínimo na altura do quadril, menos que isso não é legal!

12 Sapato na balada: Todas nós sabemos que existem poucas coisas tão desagradáveis quanto um pé dolorido ou um sapato machucando! Lembre-se que mais vale estar confortável, do que estar bonita. Sapato de salto alto, que machuca, tem prazo de validade curto. É melhor usar sapatilhas de paetês, rasteiras com pedrarias e aguentar a festa inteira!

13 Marque a cintura. Se a barriga estiver saliente use com batas e peças que disfarcem. Use mini cintos com vestidos, blazers, regatas, camisas! A cintura marcada valoriza a silueta e deixa sexy sem vulgarizar

14 Menos é sempre mais! Lembre-se: a roupa não deve ter “mais informação” do que quem está usando-a! Ainda é melhor chamar atenção por ser uma pessoa interessante dentro de uma roupa qualquer, do que ser uma roupa interessante vestindo uma pessoa qualquer!

15 Não há como ser uma mulher elegante sem ter postura, um sorriso no rosto e principalmente “muito obrigada, por favor e com licença” na necessárie!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

É DE GRAÇA

Tem gente que ainda acha que a felicidade é uma coisa inatingível. Gente que acha que a felicidade está no prêmio da mega sena acumulada, que está no topo da meta para ser atingida a longo prazo, que está em protagonizar um romance digno de cinema. Nananina never!
Enquanto houver este tipo de pensamento a felicidade vai continuar parecendo previlégio de poucos!
Faz um tempo que eu descobri que Felicidade rima com simplicidade, e foi assim que passei a ser feliz todos os dias. Uns dias de intensa felicidade, outros nem tanto. Uns dias a tristeza vem, me faz uma breve companhia e passa. A felicidade é espaçosa e não fica longe por muito tempo!
Bom, sem mais teorias, vamos a prática!


É bom e é de graça:

Flores perfumadas Pescaria Dar um mergulho Estar com a família Dormir de Conchinha Praia Mato Conversar Dar carinho Agir Abraçar Sorrisos Olhares Leitura Escrever Paisagem Banho de sol Oração Caminhar na praia Sinceridade Perdão Beijo (na boca e bem dado) Respeito Correr Brincar de esconde esconde
Gargalhada Orgasmo Cheiro de chuva
Desenhar Respirar Perder o fôlego DANÇAR Escrever uma carta Compartilhar ideias Aprender outros idiomas Estudar Suspirar Subir em árvore Falar Achar um pé de pitangueira na rua Paquerar
Tomar banho de chuva
GENTILEZA Dizer que ama Borboletas na barriga cantar Conquistar Ouvir Tirar uma soneca Sentir a brisa Despentear VIVER!!!!!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Faz de Conta,




Faz de conta que não quer chamar atenção. Que o porre vai te fazer esquecer. Que o vazio da balada vai te preencher. Que as emoções postadas no mural foram surreais. Faz de conta que não queres atingir. Faz de conta que não ficou com medo. Que não guardastes segredo. Faz de conta que foi sincero. Faz de conta que não se importa. Faz de conta que já esqueceu. Faz de conta que está tudo bem. Faz de conta que agiu de forma correta. Faz de conta que quando colocas a cabeça no travesseiro não sentes um vazio. Faz de conta que encerrou o assunto. Que a consciência está com amnésia. Faz de conta que tudo foi superado. Faz de conta que aqui não tem ninguém enganado.

Eu também tenho feito de conta, que acredito!
No palco da vida real até quem não tem o menor talento para cinema fica digno de Oscar!



*Imagem extraida da internet

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Amarelar

Semana passada fomos todos surpreendidos com a atitude do jogador Mário Fernandes escalado para ser lateral da seleção que iria enfrentar a eterna rival seleção argentina. O jogador recusou a uma das vagas mais desejadas por todos os jogadores do pais.
Minha primeira reação foi pensar “amarelou para a amarelinha”. É, nós seres humanos e o comum hábito de pré conceituar. Comentei com minha mãe que teve uma opinião contrária a minha, e só me restou refletir.
Quantas vezes assumimos riscos sem medirmos as conseqüências? Nos julgamos preparados mas quando o circo pega fogo é que constatamos nosso despreparo. Quantos políticos se candidatam e se elegem sem ao menos saber o que farão de fato nos futuros cargos que irão ocupar? Quantos pais que mal organizam suas vidas
querem educar e organizar a vida dos filhos?

É necessário ser ousado, mas é mais necessário ainda estar consciente das possíveis conseqüências de tal ousadia.
Todos nós quando assumimos um papel recebemos com ele uma carga de expectativa e responsabilidade.
Um jogador quando escalado recebe uma carga de responsabilidade e expectativa, do técnico, dos colegas, da torcida e no caso da seleção brasileira, é de toda a nação. É preciso estar preparado antes de entrar em campo. Não só preparo técnico e fisico, mas principalmente psicológico para encarar toda a pressão do jogo.

Há pouco tempo atrás no banheiro de um aeroporto fui surpreendida por uma voz afinadíssima. A dona da voz era a moça responsável pela limpeza. Saindo da cabine não pude ficar indiferente e a elogiei. Curiosa indaguei se ela já havia procurado uma maneira de divulgar tamanho talento. Comentei sobre aquele programa Idolos, brinquei que ela devia se inscrever. Ela me respondeu com um sorriso tímido e disse que já havia se inscrito e participado do programa. Aproveitando a confissão fui a diante e perguntei como havia sido o desempenho dela no programa. Ela disse que chegou até o estágio do teatro, restrito a cerca de 20 participantes e pediu para sair do programa dizendo que não se sentia psicologicamente preparada para tudo o que estava acontecendo. Considerando o fato de ela ser uma pessoa super simples que canta mas nunca havia estado no palco. Que trabalha em um aeroporto mas nunca havia andado de avião. Que foi tímida ao conversar comigo e se viu exposta a uma emissora de televisão, é de fato muita mudança. Nem todo mundo está preparado para encarar tudo ao mesmo tempo.

Mais raro que ver alguém desistindo de entrar em campo, é ver alguém reconhecendo não estar preparado para assumir tal responsabilidade. É raro, levando em conta que estamos em um mundo onde muitos buscam status, prestigio e visibilidade. Em mundo onde se cultuam mais as celebridades do que os talentos.

É necessário colocar a ousadia, a atitude e a coragem em campo. Mas também é importante não se fazer ausente no campo da humildade e reconhecermos que não somos super heróis prontos para encarar a tudo! Amarelar, de vez em quando é necessário!

Amor Nos Tempos Do Cólera



Adoro romances! Mas quanto menos óbvios e melosos eles forem mais eu gosto. Sendo assim quero compartilhar com os cinéfilos que aqui passarem um filme que supervaleapena!
5 motivos para assistir Amor Nos Tempos Do Cólera:

1 É um romance de Gabriel Garcia Marquez.

2 A trilha é da diva Shakira.

3 O protagonista é o Javier Barden. E tem Fernanda Montenegro no elenco também!

4 Tem troca de cartas de amor.

5 Mostra que não há tempo que apague um grande amor!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

As asas...



As asas tem o poder de apresentar
novos horizontes a quem sabe conduzi-las!
Nicole Nazer

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Sair para jantar

Sair para jantar. Está ai um programa que eu adoro. Gosto de programas intimistas que unam bom gosto, gastronomia, boa companhia e uma conversa animada. Sair para jantar é um programa que sempre me tira de casa disposta para cumprir todas as etapas, desde escolher uma roupa bacana, fazer uma produção caprichada, abrir o armário dos calçados e escolher o salto mais alto e o sapato que não vai as festas por ser desconfortável, mas que vai fazer bonito para chegar e sair do restaurante e dar aquela desfiladinha para ir ao toalete (sim, nós mulheres adoramos um toalete novo). Eu gosto daquela coisa de ouvir o telefone tocar e do outro lado da linha alguém dizer:
“Já estou aqui te esperando!”
A escolha conjunta de um bom restaurante ou a surpresa de um lugar novo. Gosto do a la carte, entrada, prato principal e sobremesa. Sair para jantar é mais que um programa, é um ritual. Sou exigente na escolha dos locais, gosto de ser bem atendida, gosto de luz de velas e prefiro mesas de canto onde ninguém fique passando atrás de mim. Aprecio companhias que também valorizam estes detalhes.
Pois bem, esta é a minha versão de sair para jantar.

Eu já fui convidada para jantar e acabei nas mais diversas redes de fast food, do incrível Habibs ao superdelicia Subway. Não tenho nada contra estes estabelecimentos, as vezes a grana ou o tempo estão curtos e a gente acaba tendo que optar por algo mais simples. Mas perai, me fazer tomar banho, passar deo colônia e por uma roupa mais caprichada que a de domingo para ir a um lugar que combina com chinelo e regata, não mais! Tudo é uma questão de comunicação, uma coisa é sair para jantar outra é dar uma volta e comer alguma coisa na rua. Comer na rua, a gente passa em qualquer uma dessas lojas de fast food e mata a fome, antes de sair passa no banheiro para verificar se não tem alface no dente e vai embora tomando no canudinho o que sobrou naquele copo de 500ml de refrigerante e vai pra casa de barriguinha cheia, arrastando o chinelo. Mas se o programa sugerido foi jantar, isso é outra coisa e não me enrola!
Ah, ir numa pizzaria também não é sair para jantar. Uma pizza tem seu valor, mas pizza é pizza. Não é sair para jantar, é simplesmente sair para comer uma pizza. Não me faça ficar toda pimpona de vestido bonito e franja escovada para acabar em um lugar onde vou ouvir: “Mais uma calabresinha ai senhora?”

Outro golpe duro: Vamos jantar lá em casa? Eu faço uma comidinha pra nós, a gente toma um vinho, vê um filminho...
Este programa é uma delicia, especialmente para casais com uma certa intimidade. Caso contrário quando se aceita este tipo de convite é bom já sair de casa alimentada, pois provavelmente não vai ter janta, mas vai ter vinho e a sobremesa: você! E depois da “janta” também há grandes chances de rolar uma promoção, a sobremesa pode se promovida a pudim: para ficar em banho Maria ou quem sabe em panqueca, para ser enrolada. Hummm, sendo assim, quero não.

Sair para jantar para mim é desfrutar daquilo que foi descrito lá no primeiro parágrafo. Caso contrário, obrigada pelo convite, estou de dieta de programas furados
.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A areia e o caminhão

A areia é teimosa por natureza. É difícil de segurá-la, ela se move com facilidade e bons ventos a levam para longe. Já o caminhão é forte, bruto, resistente e se movimenta de forma mais lenta.
Quando a delicada areia se encontra com o forte caminhão fica fascinada e se sente protegida. Em polvorosa quer entrar em sua caçamba e ser percorrer um trecho de sua vida na companhia dele.
A areia quando se sente atraída por um caminhão age como se ele fosse a coisa mais incrível que apareceu em sua vida. Ela é agitada e se movimenta, enquanto ele pesado e bruto demora a querer sair do lugar!
Quando a areia pensa que é chegada a hora de subir na caçamba com destino a felicidade, o tal caminhão se cobre de lonas tornando assim inacessível a aproximação da areia! A pobre a areia se sente frustrada e vê o caminhão se distanciando, deixando entre eles uma nuvem de poeira e dúvidas. Ela se sente triste e busca alguma forma de compreender por que o caminhão se distanciou.
Alguns dias passam, a poeira baixa e permite que a areia possa ver as coisas com mais clareza. Logo ela conclui:
O caminhão não era mau, ele descobriu primeiro que eu era areia demais para a caçambinha dele. E ele tinha toda a razão!


Muitas e muitos de nós já fomos areia de pelo menos uma história. E quem não foi certamente um dia será. A gente erra de caminhão muitas vezes, até encontrar o certo. Que talvez não seja o maior, o mais potente, nem o mais bem qualificado, ele precisa simplesmente ter o sincero desejo de percorrer um trecho da vida ao nosso lado. Se aquele caminhãozinho foi embora é bem certo que no inicio a gente não se sinta muito feliz com a idéia. Mas assim que a poeira baixa voltamos ao a estrada de origem mais fortes, e seguiremos em frente até sermos surpreendidas por um novo caminhão que cruzará nosso caminho e nos fará viver uma nova história! Alguém duvida?

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Bolo de xícara sem ovo

Queridos leitores, apresar de ter um grande apreço por experimentos culinários não tenho o hábito de compartilhar receitas aqui no blog. Mas esta é diferente. Esta é uma das receitas mais práticas, fáceis e deliciosas que já aprendi. Porém como não tenho o hábito de seguir fielmente as receitas acabei criando minha versão do bolinho, tirei o ovo que fazia parte da receita original, acrescentei novos ingredientes e substitui outros. Tudo testado e aprovado para compartilhar com vocês!




Bolo de Xícara - Chocolate Tradicional

4 colheres de sopa de farinha de trigo

4 colheres de sopa de leite

2 colheres de sopa de chocolate em pó

2 colheres de sopa de açúcar

2 colheres dê sopa de óleo de soja

1 colher de chá de fermento em pó


Coloque todos os ingredientes secos na mesma xícara que você colocará no microondas e por último acrescente o óleo de soja e o leite. Misture tudo na própria xícara até formar uma massa homogênea e coloque no micro em potência alta por dois minutos!

Novidades:
Particularmente não sou adepta do açúcar branco, sendo assim substitui pelo açúcar mascavo. Fiquem tranquilos que açúcar não altera o sabor do bolo. Para enriquecer mais a massa testei a receita com aveia em pó. Caso você não tenha aveia em pó coloque no liquidificador a aveia em flocos e bata até ela ficar com consistência de uma farinha. Após estas modificações saíram do forno mais dois novos bolinhos!




Bolo de Xícara - Chocolate com Pimenta

3 colheres de sopa de farinha de trigo

1 colher de sopa de aveia em pó

2 colheres de sopa rasas de açúcar mascavo

2 colheres de sopa de óleo de soja

2 colheres de sopa de chocolate em pó

1 colher de chá de fermento em pó

Pimenta vermelha em pó a gosto

Coloque todos os ingredientes secos na mesma xícara que você colocará no microondas e por último acrescente o óleo de soja e o leite. Misture tudo na própria xícara até formar uma massa homogênea e coloque no micro em potência alta por dois minutos! Quando o bolo estiver pronto cubra-o ainda quente com raspas de chocolate meio amargo! A dica é comer quentinho com as raspas derretendo Hummm!






Bolo de Xícara - Maçã com Canela

4 colheres de sopa de farinha de trigo

1 colher de sopa de aveia em pó

2 colheres de sopa de açúcar mascavo

1 colher de sopa de óleo de soja

2 colheres de sopa leite

3 colheres de sopa de suco de maçã (eu utilizei o de caixinha)

1 colher de chá de fermento em pó

1 colher de chá de canela em pó
Coloque todos os ingredientes secos na mesma xícara que você colocará no microondas e por último acrescente o óleo de soja, o leite e o suco. Misture tudo na própria xícara até formar uma massa homogênea e coloque no micro em potência alta por um minuto e meio!
O bolo de maçã fica mais fofinho e molhadinho que o de chocolate!

Quem quiser testar e depois me contar como ficou vou adorar compartilhar as experiências!

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

A Tristeza




Se a felicidade é um sentimento que contagia e distrai a tristeza por sua vez é um sentimento solitário, que trás introspecção e questionamentos. A felicidade é engraçada, ela fala alto, atinge tudo ao redor, ela é colorida e tolerante. A tristeza é preto e branco. Séria e silenciosa.
As duas causam intensas sensações, uma é a euforia a outra é a dor. As duas passam.
Eu gosto de sentir a rara presença da tristeza da mesma forma que me entrego as constantes visitas da felicidade.
Não mando a tristeza embora sem antes me aproveitar dela. Ela inspira mais que a felicidade. A felicidade embala. A tristeza paralisa e põe a pensar. E pensando inspira. E a inspiração vira produção, mostrando assim que não há mal que em bem não possa ser transformado!

Pronto dona tristeza, já foste transformada em poesia, podes ir embora agora e voltar quando necessário.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Chanel, aparência e auto estima

Já faz um tempo que me libertei dos artifícios. Do salto alto, das maquiagens, do consumo excessivo em nome da estética e da beleza. Não gasto mais com roupas da moda, não me sacrifico dentro de roupas justas, nem faço muita questão de seguir tendências. Hoje me identifico muito mais com a minha natureza, apesar de continuar achando meu nariz enorme, nunca fiz plásticas, não tenho o hábito de freqüentar salão de beleza regularmente, tenho preferido sandálias rasteiras a um salto alto. E sabes o melhor? Tenho me sentido muito bem desta forma.
Claro que reconheço que uma produção casualmente tem seu valor.

Pois hoje assisti um filme que há tempos queria assistir e adorei: Coco antes de Chanel. O filme conta a história de Coco Chanel, a fundadora da marca que leva seu sobrenome. Coco, que na verdade se chama Gabrielle, foi uma grande pioneira. Foi ela quem nos libertou dos espartilhos, ela que tirou as plumas dos chapéus e trocou saias e vestidos por calças para poder andar a cavalo. Enquanto todas a as mulheres de sua época se sacrificavam dentro de vestidos pomposos, espartilhos apertados, andavam de saltos e equilibravam chapéus enormes que Coco chamava de “merengues” na cabeça, ela usava cores mais sóbrias e camisas brancas, calças, acompanhada de pequenos chapéus e sapatos baixos.

Eu penso exatamente assim. A beleza não se limita apenas ao que se vê do lado de fora. Claro que não precisamos sair desleixadas, mas tenho certeza que ninguém precisa viver em uma ditadura. E eu não to falando de ninguém além de mim e de ti e de tantas outras mulheres próximas a nós. A ditaduta é bem conhecida de todas nós, por exemplo sacrificar os pés em um salto 12 para ir a uma festa ou não sobreviver sem secador e chapinha. Pensar que auto estima é estar montada se equilibrando em cima de um salto é literalmente um belo engano. Auto estima tem a ver com segurança e auto confiança e não com aparência.

Não somos fabricadas em série, logo não precisamos usar os mesmos cabelos longos, nem os mesmos tons de batom, nem o mesmo modelo de roupa. Não seremos menos elegantes se estivermos de sapatos baixos e tampouco menos femininas se tivermos seios pequenos e uma bunda parecida com a do Bob Esponja.
O que faz de nós mulheres mais especiais é a nossa personalidade, nossa atitude e a identidade pessoal que damos aos nossos detalhes. Isso faz a diferença. Talvez não sejamos Coco Chanel do século XXI mas podemos ser Nicoles, Julianas, Marias e Marianas, donas da nossa própria marca, única e exclusiva. Pessoais e intransferíveis.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Pra que poupar coração?

Eu sempre acreditei que a liberdade é o complemento do amor. É possível ser feliz sem viver em uma gaiola. Estar perto não é pré requisito para estar junto.
Ficar junto de verdade não é prender a ave na gaiola, é voar lado a lado. Ficar junto de verdade não é manter o peixe no aquário, é nadar junto com ele.
Sentimento não conhece fronteira e coração não entende de geografia. Quando se gosta de verdade tem que sair das linhas que delimitam nosso mundinho particular e se arriscar a voar mais longe.

Difícil não é gostar de alguém. Difícil é confiar. Ter em quem confiar é raro e precioso. Difícil é ter coragem de fazer com que o coração fale mais alto que a razão. Difícil é fazer com que o caminhão da ansiedade não nos atropele. Difícil é deixar que as coisas fluam, como um rio de águas calmas.

E se ao invés da fuga houvesse a tentativa de ficar? Se ao invés da dúvida houver a clareza do diálogo? E se ao invés de pensar em uma maneira de sair sem que ninguém seja lesionado se buscasse uma maneira de ser feliz junto?
Nós ainda não sabemos para onde vão as oportunidades que deixamos passar. E talvez seja por isso que dizemos não. Cada oportunidade que perdemos é como se criasse um pouco de ferrugem naqueles botõezinhos responsáveis pelas luzes coloridas, pela magia, pelo brilho, pelo friozinho na barriga e por todos os efeitos especiais das nossas vidas.

As vezes a gente se contenta com o morno e fica com receio de aumentar a temperatura. Morno não traz calor a vida de ninguém. Andar em cima do muro não leva ninguém a lado nenhum. É preciso pular de lá de cima e correr o risco de se machucar, a ferida da tentativa não é mais forte que a tormenta da duvida. É preciso apostar. É necessário tentar, mas de verdade, para não poupar coração, para não conter a emoção e nem esconder sentimentos. Tem que se entregar, mergulhar, desvendar, sentir as dores e as delicias de viver uma história ao lado de alguém, principalmente quando nós melhor do que ninguém sabemos o quão especial aquela pessoa é.


Ah, eu não sei para onde vão as oportunidades que perdemos, mas certamente alguém mais preparado ou simplesmente mais corajoso que nós pode passar de mãos dadas com ela na nossa frente com um sorriso estampado no rosto e ambos gozando de plena satisfação.
Poupar coração talvez sirva para isso!



domingo, 14 de agosto de 2011

INCONDICIONAL








Eu sempre quis entender por que o amor que eu sinto por ti é tão diferente dos meus outros amores.
Desconfio que seja pelo fato de tu ter sido um dos primeiros a apoiar minha vinda enquanto minha mãe sozinha encarava o desafio da minha chegada. Eu não lembro quando foi a primeira vez que eu te vi, mas acho que desde sempre meu coração sentiu a tua presença. Tu certamente deve ter me alimentado, me confortado no calor dos teus braços, me feito dormir, me viu chorando e ajudou a me educar. Uma das cenas mais gostosas da minha infância é quando eu saia da minha caminha, atravessava a casa arrastando meu cobertor para deitar na cama no meio de vocês e depois te fazer massagem antes de tu levantar. Tu colocava o disco do carequinha e cantava comigo, aliás tu sempre me fez rir. Tu colocava um jasmim dentro do auto para ele ficar perfumado. Tu foi o entusiasta de uma das decisões mais inteligentes que eu tomei na minha vida: ser colorada! Tu me viu com todas as caras e cabelos que eu já tive. Me viu chorando para ir ao dentista. Me viu desdentada e continuou me achando linda! Tu me levou na escola, me buscou milhares de vezes. Tu viajava e aquelas semanas em que estavas ausente pareciam anos. Tu me ensinou que saudade não mata, mas bem que judia. Teve uma páscoa que tu não esteve presente, mas na semana seguinte ouvi a campainha tocar e quando abri a porta tinha um cartaz de coelho enorme adivinha quem estava escondido atrás dele? Sim, tu! Com um coelhinho cor de rosa de presente e uma deliciosa barra de chocolates! Inesquecível!

Tu me socorria dos tombos, das aranhas, das hemorragias nasais, das palmadas da vó e dos “tabefes” da mãe. A única vez que tu brigou comigo foi quando eu cuspi as sementes da maçã no teu prato. Tu sempre fez com que eu me sentisse protegida!
Tu me deu a mão para atravessarmos a rua e eu te vi dando um “duplo twist carpado” por cima daquele Fiat 147 que vinha de ré. E me vi irada com aquele irresponsável que havia te atropelado. Como fiel companheira me vi inúmeras tardes na oficina do Fiat.
Tu sempre me surpreendeu. Tuas trilhas sonoras e teu sotaque porteño me levaram a paixão pela língua espanhola e pela latinidade. Compartilhamos o apreço por uma boa sobremesa e um bom prato de feijão com farofa! Foi de ti que herdei o bom senso de direção e o prazer em viajar!


Tu já reparou como tu conquista as pessoas a tua volta? Tu tem uma energia tão boa e um carisma tão grande que cativas todo mundo. Tem gente que já gosta de ti mesmo sem te conhecer. Teu senso de humor e tua alegria me contagiam.
Os anos se passaram e não sou mais a guriazinha que atravessa a casa arrastando o cobertor pelo corredor. Mas eu sigo aqui, ao teu lado como sempre estive. Já não contesto mais tuas ideias e travessuras. Já não moramos mais na mesma casa. Já não moramos mais na mesma cidade. Já nos despedimos de pessoas importantes mas ainda temos muitas outras por aqui. Hoje somos mais do que nunca Batman e Robin, eternos companheiros de histórias e vivências.

Tu és a minha prioridade. Tu és o mentor da minha gula. Tu és a minha escola de esperança, fé, de presença de espírito, de generosidade e de humor. Tu é o melhor presente que deos me deu. Tenho muito orgulho de ser tua descendente. És parte importante da minha vida, e minha vida não teria o mesmo sentido sem a tua existência. Ao teu lado me sinto um ser humano mais nobre, ser neta é um dos papeis que desempenho com mais dedicação.
Eu te amo é pouco, o que eu sinto por ti e o que tu representa para mim ainda não tem nome!

Onde quer que estejamos sempre estaremos juntos, lembra sempre disso vovô!



Escrito entre sorrisos e lágrimas de gratidão em homenagem ao amor incondicional materializado em forma de avô!




quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Elas Mudaram




Extra! Extra! Extra!
Eles nos ganharam! Uma recente pesquisa realizada por um site de relacionamentos comprovou que atualmente os homens estão mais românticos que as mulheres. E não é só isso, enquanto 43% das mulheres querem ser mães, 58% dos homens querem ser pais. Choquei! Na verdade choquei e “deschoquei”. Comecei a realizar as perguntas da enquete comigo mesma e cheguei a uma conclusão…


O resto do texto esta no blog da Festamorfose, LEIA AQUI o texto Elas Mudaram: http://www.festamorfose.com.br/blog/?p=2336

domingo, 31 de julho de 2011

Muito além de eu te amo

E no ápice da cena de amor o belo casal, pára, os olhos brilham, as pupilas dilatam, seus corações aceleram e sob a luz do luar vem a frase tão esperada, a frase mais linda do mundo, a frase de maior importância, maior significado e valor: Eu te amo! O casal se beija, todos aplaudem e eles vivem felizes para sempre. Plofth! Os créditos aparecem na tela, acenderam as luzes e acabou o filme!

Cena de amor em que o eu te amo é o ápice só é bonita em filme. O amor da vida real vai muito além das frases clichês! Na vida real só amar não basta. Tem que ter paciência, compreensão, doação, atenção, carinho, dedicação, respeito, liberdade e mais um monte de coisas. Cada relação tem seus ingredientes. Mas o amor sozinho não basta!
Quando o eu te amo não vem com compreensão a frase de amor é: Eu te amo, mas eu não te entendo!
Quando o amor não tem liberdade a declaração fica assim: Eu te amo, mas tu promete que não vai naquela festa?
Quando o amor é desatento a frase romântica correta é: Aham, eu também!
Eu também o que cara pálida? Se não há capacidade de dizer uma frase de amor por inteiro e principalmente com amor, então é melhor falar de futebol!

Existem também algumas frases em que o amor vem camuflado. Como por exemplo:
Estou do teu lado! Sinto a tua falta! Te quero! Eu te vejo! Vamos compartilhar! Te desejo ao meu lado! Conto os dias para estar contigo! Eu te compreendo!
E tem uma frase em especial que particularmente me sinto contemplada cada vez que ouço: Te espero!
É tão lindo ver alguém desejar a tua companhia, dedicar o tempo dela e respeitar o tempo do outro, que te espero para mim soa quase como uma declaração de amor!

Quando o amor começa a ser banalizado, ouve-se infinitas vezes ao dia a bendita frase. O ouvinte já está tão cansado de ouvi-la que já não tem nem animo mais de responder a altura! As vezes pequenas atitudes dizem muito mais: Trazer uma flor, imprimir uma foto com uma dedicatória bonita, deixar um recado no espelho, escrever um bilhete e guardá-lo em local estratégico, mandar flores em datas que não sejam especificamente comemorativas, preparar café da manhã, esperar com uma refeição feita com carinho, mandar uma mensagem de boa noite, ligar para saber como foi o dia, dedicar uma música, marcar uma página do livro com um trecho para compartilhar com o outro, passear de mãos dadas, dividir o guarda chuva... essas entre tantas outras atitudes simples mas que fazem a diferença e nas entrelinhas também querem dizer:
Eu te amo! Eu te amo! Eu te amo!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Carta ao Adevir

Adevir, querido!

Faz tempo que não te escrevo e algumas coisas mudaram por aqui desde a última vez que te escrevi. Amadureci em alguns aspectos, estou me reconstruindo em outros e certas coisas parecem que não mudaram.
Não moro mais na mesma cidade, me despedi de algumas pessoas que foram especiais em minha história, encontrei algumas outras que entraram brevemente em minha vida, compartilhamos energias e voltamos as nossas realidades. Em cada encontro nasceu uma nova história, cada história uma nova experiência que certamente me fez amadurecer de alguma forma.

Os anos tem se passado depressa, tenho me tornado mais tolerante para algumas coisas, mas cada vez mais exigente para outras.
Aprecio muito a gastronomia, tenho me dedicado a cozinhar e conhecer novos lugares e sabores é um dos meus programas favoritos. Vá conhecendo todos os restaurantes que tiveres direito. Quero que compartilhe tuas experiências gastronômicas comigo. Se a barriga estiver um pouco saliente vou compreender, mas por favor não sejas sedentário. Exercite-se, pois pretendo testar bastante teu fôlego. Aproveite também para ir ao cinema, para ler bastante e conhecer gêneros e músicas novas, aprecio muito tudo isso e ter uma boa bagagem cultural é bem importante!
Por favor não me mande rosas. Lírios, tulipas, copos de leite, hortênsias e orquídeas tem minha preferência. Rosas são muito obvias, talvez sua mãe as aprecie mais do que eu.

Hoje me sinto menos romântica, na verdade não perdi o romantismo, apenas mudei a ordem das prioridades, continuo sonhando em casar, mas viver como casada é algo que ainda não anseio. Ainda desejo a maternidade, mas para um futuro bem distante. Tenho buscado uma carreira, coisa que já era para ter feito a muito tempo. Me sinto mais adulta para algumas coisas. Mas ainda desejo colo quando me sinto carente. Minhas TPMs ainda tem me castigado, abro todos armários em busca de um doce e dou um bom lucro as confeitarias durante estes períodos e apesar das oscilações de humor ainda não matei ninguém e nem tenho tal pretensão.
A geografia é outra coisa que tem me castigado. Estou geograficamente distante de meus maiores amigos.
Nos últimos meses viajei bastante, não fui muito longe (se bem que fazer um trecho de 24 horas sendo que metade do caminho em estrada de chão rumo ao Araguaia foi um bom desafio). Tenho pretendido viajar cada vez mais e ir cada vez mais longe. O oriente ainda me seduz muito. A Itália habita meu imaginário. E a Argentina foi uma excelente descoberta. Alguns romances também me fizeram pegar estradas e aeroportos, comprovando minha teoria de que coração não entende de geografia.
As vezes me pergunto, mas porque é que tu ainda não está aqui? Principalmente nas noites frias de inverno.
Eu não sei onde tu estas, na verdade nem conheço a tua identidade de fato. Mas tenho certeza que virás na hora certa e minha apurada intuição há de reconhecer-te.

Enquanto isso sigo esperando. Podem demorar quantos anos mais forem necessários, mas quando vieres que venhas por inteiro. Aprenda a perdoar as pessoas que tem feito parte do teu presente, da mesma forma que eu tenho feito, para que quando nos encontrarmos não ocupemos tempo cicatrizando feridas do passado, mas sim fazendo com que nossos corações transbordem de felicidade. Reflita sobre traição e lealdade, traga opiniões formadas para que possamos debater. Traga um pouco da pureza da tua infância para rirmos de coisas bobas. Traga sonhos e guarde algumas fantasias para realizarmos juntos. Aprenda a fazer massagem e tenha sempre uma história para me contar. Não permita que os pesares da vida reduzam teu senso de humor.

Aaah Adevir! Quer saber? Pouco importam as rosas ou lírios. Quando vieres que venhas de coração aberto. Deixe teu medo em algum lugar do caminho. Venhas disposto a ser entregue para não poupar sentimento e para que acima de tudo possamos viver juntos todas as descobertas, desassossegos e delicias de uma coisa chamada amor!
Eu continuo a te esperar!

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Desmascarar-se




Recebi em meu email uma das mensagens mais nobres que já recebi nos últimos tempos! Tratava-se de um amigo* de longa data, dono de um gênio forte e um temperamento difícil, que acabara de ficar solteiro e o sofrimento que ele teve com o término deste relacionamento o fez perceber quem ele era de verdade. Separei um trecho para compartilhar aqui no blog:
“eu fazia as coisas sem pensar... e isso não foi bom.. não me agregou nada... ao contrario... perdi muitas pessoas que não queria... perdi muitos amigos que não queria... e nada do que eu fizer pode apagar o que eu fiz... são marcas... q ficam no nosso corpo.. nosso coração.. nossa mente.. nossa alma... eu to sofrendo muito e não porque terminei o namoro e sim pq eu vi no espelho a verdadeira pessoa q eu sou, um monstro...”
UAU! Forte né?! Fiquei muito surpresa com a coragem quase em extinção em admitir quem se é e entre outras confissões, pedir desculpas pelos estragos.

Passar por cima do orgulho, saber quem se é de fato, ter a nobre atitude de reconhecer um erro e pedir perdão por ele é algo que por bem ou mal todos nós iremos fazer um dia! Eu digo bem, pela conscientização e a livre espontânea vontade em agir. Já o mal é a consciência pesada pelas verdades ocultas, pela assombração das lembranças e do arrependimento. Se engana quem pensa que é fácil ser mais forte que o orgulho. Já falei sobre isso outras vezes, o orgulho é uma máscara que esconde alguém tão frágil que não tem coragem de torna-se a sua própria verdade. O orgulho é auto corrosivo, vai nos destruindo com o tempo.

Já dizia o sábio Mahatma Gandhi: “O perdão é virtude dos fortes, os fracos não perdoam!”
E tão divino quanto perdoar é, se colocar no lugar do outro e compreender o próprio erro e pedir perdão! Perdoar de coração e pedir perdão com sinceridade, é simples, basta exercitar a capacidade. A vida está em constante movimento, o destino prega peças que vão muito além da imaginação. O desafeto de hoje pode ser alguém capaz de salvar a nossa vida amanhã!

Não nascemos de máscaras. Mas infelizmente parece que é da natureza humana se mascarar. As máscaras são aquelas verdades que fomos descobrindo com o tempo e fomos ocultando por algum motivo. Mas não há máscara que nos proteja para sempre. Um dia nos olhamos no espelho, tomamos consciência de quem somos, abrimos os olhos para os estragos, nos vemos sós, ou vemos quantas pessoas expulsamos das nossas vidas para defender nossas razões. Um dia nos tornamos a nossa verdade e tudo o que parecia oculto se revela.

Fica ai, para mim, para ti, para ele, para todos, o bom exemplo de alguém que se “desmascarou”!
A VERDADE É ALMA GÊMEA DO TEMPO, UM DIA AS ALMAS GÊMEAS SE ENCONTRAM.
(Tomara que seja em tempo hábil para sanar os estragos.)







*Dedico este texto ao meu amado amigo Luiz Felipe, que autorizou o uso do seu nome e do email, e que faz questão de mostrar a quem quiser o quão importante (e difícil) é ter coragem para ser quem se é e reparar qualquer mágoa que possa ter deixado pelo caminho!

quarta-feira, 6 de julho de 2011

O luxo e o lixo

Ao abrirmos baús, caixas, armários, sacolas, malas, gavetas encontramos de tudo. È como se cada objeto tivesse uma história e revelasse uma parte do nosso passado.
Quando eu era criança, tinha uma pasta de “couro” branco com que era da minha mãe e eu a usava para brincar de professora. Um belo dia fazendo uma limpeza em casa minha mãe decidiu que era hora da minha linda pasta ir para o lixo. Em troca ganhei uma cor de rosa, muito mais de acordo com uma criança de 6 anos. Foi com muita dor de vi minha pasta no lixo da praça em frente ao nosso prédio! Fiquei na sacada tramando alguma forma de ir resgatá-la, até que vi um dos andarilhos que andavam pela vizinhança arrecadando meu instrumento de “trabalho” e desfilando pela rua todo orgulhoso, como se fosse um executivo com a pasta a tiracolo. Já era!

Hoje tenho uma caixa com meus antigos diários, do tempo que tudo se colava na agenda. Convites de aniversários, cartas, bilhetes trocados durante a aula, recortes de revistas, fotos entre outros registros. Está tudo lá documentado! Quem disse que eu tenho coragem de me desfazer daqueles diários?
E se eu tivesse vontade de me desfazer, para onde eles iriam? Colocá-los no lixo para que minha intimidade juvenil fique a mercê de qualquer passante? Fazer uma fogueira e transformar em cinzas os registros dos anos em que mandei brasa?
Não não, nada disso! Meus queridos e antigos diários ocupam muito espaço, mas fazem parte da minha história e não vou descartá-los!

Agora que estamos no inverno, em época de campanha do agasalho, temos obrigação de abrir os armários para descartar e passar adiante aquelas peças que já não usamos mais. Todo mundo tem que fazer isso!
Mas há outro tipo de descarte que também é muito necessário: o das roupas intimas. Peças que estão paradas em nosso armário, manchadas, velhas, gastas, furadas, apertadas, calcinhas e sutiãs que um dia vestiram nossa intimidade, mas que hoje já não tem serventia. Eles vão para onde? Queimamos? Fazemos uma nova fogueira de sutiãs? Doamos para a campanha do agasalho em prol das bundas ao relento? Jogamos em um saco de lixo e colocamos na lixeira em frente de casa correndo o risco de algum andarilho passar lá, abrir o saco e espalhar pela calçada as calcinhas beges, sutiãs de enchimento e outras maravilhas intimas?
Na na ni na não! Definitivamente, eu não sei o que fazer com essas peças! Acho que vou fazer um plantão a espera do caminhão do lixo e eu mesma vou jogar o saco com meu passado de renda, lycra e algodão lá dentro!

Colares, brincos e outros acessórios que não usamos mais, dá para doar para um brechó, dá para doar para amigas, dá até para vender algumas peças. Aquela coleção de CDs que inclui pérolas como Raça Negra, Só Pra Contrariar e outros “conjuntos” que embalaram outras épocas de nossas vidas esses se não encontrarmos ninguém para doar certamente podemos colocar em uma caixa aberta na frente de casa que algum passante com certeza vai levar!
Certa vez após uma mudança coloquei varias caixas com lixo e outras coisas que eu não queria mais em frente a minha casa. Poucos minutos apareceu um moço que juntava objetos recicláveis. Falei com ele e pedi para que não deixasse o lixo espalhado na calçada. Ele compreendeu, contou um pouco do seu trabalho e empolgadíssimo revelou que o sonho dele era encontrar a Playboy da Xuxa, provavelmente lançada na década de 80. Segundo ele o raro exemplar estava valendo mais de 10 mil reais! Quem está pagando esta pequena fortuna para ver a periquita da Xuxa a quase 30 anos atrás eu não sei. Mas o que eu sei é que é simplesmente o ponto de vista é que separa o luxo do lixo.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

De bom tamanho


Recentemente me vi refletindo sobre o que realmente tem de ser grande em um homem. Altura ou caráter? Pênis ou atitude?.
Sempre achei esteticamente desarmônico um casal em que a mulher é mais alta que o homem. Parecia que o coitado não ia dar conta daquela mulher toda. Achava que o parceiro ideal tinha que ter no mínimo 13 cm a mais de altura que a mulher. No meu caso, meus 1,67 de altura mais os 10 cm mínimos do salto = 1,77. Se o meu feliz eleito tivesse mais de 1,80 eu ia poder usar qualquer salto e ele ia ficar mais alto que eu. Quando eu estivesse de sapatos baixos ia ficar na pontinha do pé para beijá-lo. Isso sem contar que homem grande tem as costas e o peitoral largos. Que maravilha poder se aconchegar no corpo dele. Homens grandes tem as mãos grandes, quer coisa melhor que ser pega pela cintura por uma única mão cheia de dedos, gana e atitude?
Tudo isso é muito bom, mas mesmo assim conclui que altura e pênis, mesmo sendo boas idéias, não são vitais!
Logo eu que sempre fui defensora da fartura em uma anatomia masculina. E como se não bastasse todo este pré conceito ainda chamava carinhosamente de “abatumados” os desprovidos de altura!

Mordi a língua! Ah e como é bom morder a língua em algumas situações. As traquinagens do destino me fizeram rever alguns conceitos e logo conclui que existe sim uma coisa muito melhor que um homem grande, batizei esta nova conclusão de homens de bom tamanho. Um homem de bom tamanho deve ter cerca de 7 centímetros a mais que a mulher. Ou seja, o suficiente. Homem não tem que ser alto tem que ser funcional. E quer funcionalidade melhor que ficar quase da altura da boca para beijar sem que ninguém precise cansar o pescoço? Ou ficar na altura dos olhos para olhar bem fundo?
Um homem de bom tamanho se encaixa perfeitamente na hora de dormir e na hora de abraçar. O pé de um homem de bom tamanho é uma coisa bem humana, tipo 40, dá para roubar o chinelo e as meias dele se necessário. Dá para alcançar o pescoço para sentir o cheirinho a qualquer momento.
Homem de bom tamanho pega com as duas mãos, pois as duas normalmente cabem na cintura da mulher, e ser pega com as duas mãos significa, dedos, gana e atitude em dobro!
Isso sem contar que a energia fica condensada no corpo de menor estatura e normalmente se manifesta de forma intensa!

Mudei para melhor os conceitos sobre aquilo que eu chamava de “meu número”. Fiquei mais tolerante e passei a perceber que tamanho nada tem a ver com caráter e atitude.
Grande tem que ser a vontade de estar ao lado da mulher. Grande tem que ser o carinho, o sentimento, a disposição, o prazer, o desejo, o respeito, o diálogo e outros valores que engrandecem a relação.
Eu como desejo muito mais ser surpreendida, bem tratada, respeitada e instigada, fiz minha escolha: um exemplar tamanho M para mim, por favor!


segunda-feira, 27 de junho de 2011

O lado B da solteirice

Recentemente redescobri uma prática das mais legais oferecida pela tecnologia durante minha adolescência. Aderi a um plano de torpedos infinitos oferecido pela minha operadora de celular e recriei o hábito de mandar torpedos.
Eis que em resposta a uma das minhas mensagens, uma amiga querida e pra lá de inspirada me envia o seguinte:
“estamos em junho! Mês dos casais apaixonados que estão juntos e dos casais apaixonados que não se encontraram ainda!”
Casais apaixonados que não se encontraram ainda! Adorei e muito me identifiquei! Eu sou solteira a bastante tempo. Solteira assumidamente feliz. A solteira oficial, daquelas que ninguém espera que saia deste posto tão cedo.
Certa vez li um texto do Arnaldo Jabor que ele expunha uma visão pra lá de poética sobre a vida de um travesti:
“O travesti é um ser sem par na sociedade...”
Eu também me identifiquei com tal colocação; um ser sem par na sociedade. O solteiro é o impar! Solteiro tem que ter humor, porquê solteiro depressivo ou carente não dura muito tempo em posto nenhum. Solteiro é quem mais consome chocolate. É quem mais compra e adota animais. É a companhia solidária. É quem proporciona jantares românticos aos amigos sendo a vela da noite.

Mas nem tudo é tão ruim. Enquanto irmãs e amigas quase completam bodas por anos de namoro o solteiro tem tempo de sobra para se auto conhecer! Para se descobrir e entre descobertas abrir portas (e janelas) para que alguns passantes entrem e façam parte da sua história. Enquanto os outros namoram os solteiros podem ter affair. O affair é quase uma lua de mel. Ser breve é sua principal caracteristica. O affair é aquele que aparece nas fotos românticas que são postadas em uma semana e que podem sumir na outra. O affair é aquele que mora longe e que dificilmente pode virar uma relação. O affair é aquele que promove suspiros , sorrisos e lembranças. Viver um affair (ou dois ou dez) é tão gostoso quanto ter uma relação longa ao lado de alguém que se ama.

É bom ser solteira, se auto descobrir, se auto divertir, encarar com humor o papel de vela oficial dos jantares românticos e vivenciar histórias as vezes breves as vezes não.
Junho ja está no fim mas é importante lembrar de que todo mundo é um casal apaixonado, as vezes apenas por distração não encontrou o outro lado da paixão ainda!